sábado, 31 de março de 2012

2ª Mostra Nacional de Práticas em Psicologia

20 a 22 de Setembro de 2012 – Anhembi – São Paulo. http://mostra.cfp.org.br

sexta-feira, 30 de março de 2012

Auto da Paixão terá recurso para incluir deficientes visuais.

A apresentação do Auto da Paixão de Cristo, estrelada este ano em Cuiabá pelo ator global Luigi Baricelli, proporcionará uma experiência cênica inédita para deficientes visuais. O recurso da audiodescrição possibilitará acompanhar cada movimento do roteiro do espetáculo. De acordo com a assessoria de imprensa do evento, o recurso descreve clara e objetivamente as informações visuais e as que não estão contidas nos diálogos ou na narração da peça. São expressões faciais, corporais, descrições de cenários, de figurinos, efeitos especiais, transições de tempo e espaço e qualquer coisa que esteja escrita no ambiente. O sistema funciona por meio de um rádio receptor: cada espectador com deficiência visual receberá um aparelho antes da apresentação começar e terá a descrição de todo o espetáculo. O uso do recurso para deficientes visuais no público de cinema, teatro, programas de televisão, shows, etc tem sido cada vez mais celebrado como ferramenta de inclusão. No Brasil, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) calcula que mais de 20 milhões de pessoas são portadoras de deficiência visual e, com isso, acabam excluídas de programações artísticas e de entretenimento como as artes audiovisuais e cênicas. O Auto da Paixão de Cristo em Cuiabá acontece do dia 28 ao dia 1º de março, no Parque de Exposição de Cuiabá. A entrada é gratuita, mas o recurso da audiodescrição estará disponível na apresentação do dia 31 de março (sábado), às 19h. Os deficientes visuais interessados em participar devem contatar antecipadamente a Secretaria de Estado Trabalho e Assistência Social (Setas) pelos números 3613-5740 e 3613-5746 ou pelo Instituto dos Cegos, nos números 3646-1400 e 3055-1404. Da Redação - Renê Dióz. Fonte http://blogdaaudiodescricao.blogspot.com.br/2012/03/paixao-de-cristo-de-cuiaba-sera.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+BlogDaAudiodescricao+(Blog+da+Audiodescri%C3%A7%C3%A3o) Origem: Olhar Direto

quinta-feira, 29 de março de 2012

Alegria, emoção e irreverência na celebração do Dia Internacional da Síndrome de Down.

A cerimônia foi coordenada pelos senadores José Sarney (PMDB-AP), Lindbergh Farias (PT-RJ) e o deputado Romário. Descrição da Imagem: Dois garotos com Síndrome de Down estão à frente do deputado Romário que está sorrindo e sentado numa cadeira num auditório. Com alegria, reivindicações diversas e muita emoção, foi comemorado hoje, no Salão Negro do Congresso Nacional, o Dia Internacional da Síndrome de Down. Dezenas de familiares de portadores da síndrome, ministros de estado, parlamentares e autoridades, celebraram a data instituída pela Assembléia-Geral das Nações Unidas (ONU). A cerimônia foi coordenada pelos senadores José Sarney (PMDB-AP), Lindbergh Farias (PT-RJ) e o deputado Romário. O senador carioca Lindbergh Farias, pai de Beatriz, também portadora, registrou agradecimento especial ao ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota : "Não posso deixar de mencionar que a instituição do Dia Internacional das Síndrome de Down, aprovado em assembléia da ONU em novembro de 2011, foi uma proposição da delegação brasileira, liderada pelo ministro Patriota". Romário, o primeiro a falar, reforçou a necessidade de ampliar programas públicos focados no atendimento às pessoas com deficiência e se declarou um apaixonado por Ivy, sua filha: "Deus me deu a possibilidade de cuidar de um anjo". Lindberg destacou a importância do Protocolo Clínico para a Síndrome de Down, que estabelece procedimentos padronizados para o atendimento em toda a rede de saúde. José Sarney contou sua convivência, desde a infância, com três tios (irmãos de sua mãe, dona Kiola) - portadores da síndrome de Down. "Foi um tempo excepcional na minha vida quando recebi o carinho generoso dos meus tios Manoelito e Jofre", relatou o presidente. Essa experiência influenciou José Sarney que, em 1988, como presidente da República criou a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência (Corde), propiciando assim aos portadores desse distúrbio influir na ação governamental. Ligada diretamente à Presidência, a instituição viabilizou pela primeira vez no país um programa de governo focado nas pessoas com deficiência. Sob a coordenação de Teresa Costa d´Amaral, foi elaborado projeto de lei específico para o setor. " A Lei 7.853/89, é ainda hoje um modelo. À época nos antecipamos a Convenção da ONU em matéria legislativa", recordou Sarney. "Nossa ideia e nosso desejo era que tivéssemos um órgão encarregado da ação interministerial, pois o problema das pessoas com deficiência perpassa todos os setores da sociedade e do Estado", explicou o presidente. Em seu discurso, Sarney enumerou uma série de ações que o estado "pode e deve" assumir. Ressaltou a necessidade "urgente" de que os educadores se preparem para lidar com as diferenças que devem reger o aprendizado dos que têm a sídrome de Down. "Hoje se sabe que não é correto falar em problemas cognitivos, mas em problemas da educação", avaliou. Também frisou a necessidade da conscientização da sociedade no sentido de estancar o preconceito. "Precisamos todos incorporar em nossos conceitos esse, fundamental, de não considerarmos uma parte da sociedade melhor ou superior à outra". E acrescentou: "Portadores da síndrome de Down são criaturas que Deus dotou com uma excepcional inteligência afetiva". Fonte http://www.atitudeinclusao.com.br/secao/imprensa/518/alegria-emocao-e-irreverencia-na-celebracao-do-dia-internacional-da-sindrome-de-down/ler.aspx, Origem http://www.senado.gov.br/senado/presidencia/detalha_noticia.asp?data=21/03/2012&codigo=107681&tipo=12

quarta-feira, 28 de março de 2012

Leia o Audiodescrição

O escritor Jorge Rein fala sobre as polêmicas experiências em audiodescrição com voz sintetizada - Vivemos uma era de excessos que privilegia a quantidade em detrimento da qualidade. Capturamos cardumes de amizades nas redes sociais, mas amigos virtuais não costumam oferecer ombros amáveis para chorar as mágoas nem braços para nos amparar. Carregamos nos bolsos pequenos dispositivos que armazenam mais músicas do que aquelas que somos capazes de escutar, mas o som primoroso que a agulha bordava nos sulcos do vinil, como diria o corvo: nunca mais. Nossos aparelhos de televisão recebem o sinal de centenas de canais e o supervalorizado polegar opositor, que já nos colocou no topo da escala evolutiva, foi condenado a zapear eternamente à procura de algum programa que mereça atenção. Almoçamos diariamente em bufês livres onde a promiscuidade de sabores e aromas entorpece o olfato e o paladar. O baixo custo do cinema digital traz à tona mais joio do que trigo, revelando alguns realizadores que valeria a pena continuar a ignorar. Proliferam os blogues literários onde é possível garimpar pouquíssimos diamantes, outras pedras preciosas ainda por lapidar e muita pedra bruta no meio do caminho, daquelas que fariam jus a outra modalidade de lapidação. Temos fácil acesso a tanta informação que chegamos a confundi-la com conhecimento, esquecendo que o conhecimento exige a seleção, a filtragem e a elaboração da informação através de um processo que não é raro que exija a mediação de um orientador, um mestre, um professor. É neste confuso e desordenado panorama de profusão de ofertas sem maiores cuidados com a qualidade do produto final, que se encaixa perfeitamente a iniciativa de fazer audiodescrição com voz sintetizada, a chamada audiodescrição virtual. A leitura de textos descritivos com voz sintetizada é um recurso de uso comum e bem aceito quando se trata de traduzir, por exemplo, os elementos visuais de um convite, o logo de um blogue ou as fotografias de um site de notícias. Porém, quando o objetivo é o de incorporar a audiodescrição a um produto artístico, existem outros fatores que devem ser levados em consideração. A intenção dos defensores da aplicação da audiodescrição virtual a um imenso acervo disponível de vídeos não acessíveis é louvável, o resultado é que deixa a desejar. A proposta de convocar o potencial voluntariado da comunidade virtual na elaboração dos roteiros de audiodescrição das videoproduções não acessíveis é de um profundo conteúdo solidário e social, mas a leitura desses textos através da síntese de voz compromete seriamente a qualidade do produto final, conforme pode ser comprovado nos exemplos já disponíveis na rede. A audiodescrição se sustenta, na prática, em três pilares fundamentais: roteiro, narração e gravação. Todas essas três fases exigem a participação de profissionais formados e informados, experientes e capacitados. Quando se trata de um produto artístico, então, é imprescindível acrescentar outro ingrediente que máquina nenhuma, ao menos por enquanto, consegue reproduzir: a sensibilidade. Ainda que se aposte na qualidade dos roteiros eventualmente elaborados pelos voluntários da enorme e diversificada comunidade virtual, condição que é impossível garantir, não há meio de exigir da voz sintetizada o desempenho cuidadoso e sensível que só a voz humana conseguiria oferecer. Apesar do positivo aumento de demanda e do trajeto já percorrido por seus precursores, ainda estamos engatinhando no trecho inicial da história da audiodescrição no Brasil. Nesta fase, que é de implantação e consolidação, os esforços devem ser concentrados na formação de público, cativar as plateias, fazer com que a pessoa com deficiência visual reconheça, através da experimentação do recurso, uma necessidade que nem sonhava ter. Todo cuidado é pouco e um mínimo deslize na qualidade do produto oferecido pode afugentar para sempre aqueles que tentamos atrair. Qual seria a meta que a audiodescrição de produtos artísticos deveria perseguir? Talvez a integração tão íntima e perfeita do recurso com a obra que, após a exibição, o público com deficiência visual comentasse o teor, o conteúdo, o desempenho dos atores, as opções do diretor, a intenção do espetáculo e não a audiodescrição. Não é da mão de robóticos Eusébios, Felipes, Raquéis ou Fernandas* que chegaremos lá. * Referência a diversos programas de síntese de voz. Jorge Rein Fonte http://blogdaaudiodescricao.blogspot.com.br/2012/03/audiodescricao-virtual-opiniao-de-um.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+BlogDaAudiodescricao+(Blog+da+Audiodescri%C3%A7%C3%A3o)

terça-feira, 27 de março de 2012

Seja bem vindo.

Feira Internacional de Tecnologia em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade - Reatech 2012.

Reatech é a tradicional Feira Internacional de Tecnologia em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade que acontece anualmente, levando para o público interessado novidades no mercado de reabilitação de pessoas com deficiência. A XI edição da Reatech será nos dias 12 a 15 de abril, no Centro de Exposições Imigrantes São Paulo-SP, na Rodovia dos Imigrantes Km 1,5, na cidade de SP. O evento é organizado pelo Grupo CIPA FIERA MILANO. Estão presente no evento autoridades, políticos, congressistas, profissionais no setor, atletas e toda pessoa interessada na causa da igualdade de condições do deficiente físico. A entrada no evento é gratuita. Para obter mais informações acesse o site http://www.reatech.tmp.br/, fonte http://sentidos.com.br

segunda-feira, 26 de março de 2012

Ana Regina Campello - Feneis 2012

CAPES e CNPq criam nova bolsa: “Jovens Talentos para a Ciência”

Preliminarmente, como projeto piloto, a ser iniciado ainda em 2012, 6.000 bolsas de estudo serão oferecidas pela CAPES e pelo CNPq aos estudantes que ingressaram este ano nas Universidades Federais e Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Nos próximos anos, esta modalidade de bolsa será estendida para os alunos ingressantes em Universidades Estaduais e também não públicas. Estas bolsas terão por objetivo identificar precocemente nossos melhores Jovens Talentos entre os ingressantes universitários, para estimulá-los ao interesse e dedicação plena ao aprendizado acadêmico e a prática em Ciência e Tecnologia. Os alunos serão selecionados internamente em cada universidade, mediante prova de conhecimentos, para receberem estas bolsas já à partir do segundo semestre de 2012. Adicionalmente, os resultados obtidos poderão também ser utilizados como critérios de prioridade nos Programas Institucionais de Bolsas de Iniciação Científica e no Programa Ciência sem Fronteiras. Assessoria de Comunicação Social do CNPq** E-mail: comunicacao@cnpq.br, Tel.(61) 3211-9414, Fonte http://www.cnpq.br/saladeimprensa/noticias/2012/0217c.htm

sexta-feira, 23 de março de 2012

Six Sigma Brasil] Congresso 2012

PieroGeraci - Six Sigma Brasil E-mail: piero.geraci@leansixsigma.com.br, site http://www.leansixsigma.com.br/congresso/

quinta-feira, 22 de março de 2012

Lançamento oficial do portal Atitude Inclusão

A Fundação Fundetec tem o prazer de convida-lo para participar do evento em que será lançado oficialmente o portal Atitude Inclusão, iniciativa da instituição que tem por objetivo fomentar a inclusão da pessoa com deficiência, em suas várias vertentes. Na mesma oportunidade será oficializada a parceria entre a Fundação Fundetec e a AACD - Associação de Assistência à Criança Deficiente para a capacitação das pessoas reabilitadas pela associação para inserção no mercado de trabalho. Data: 29/03/2012 - Cidade: São Paulo - SP - Brasil. Programação: 09h00 Recepção aos convidados 10h00 Abertura do Evento: Marcos Belizário - Secretaria da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida da Cidade de São Paulo. + informações http://www.atitudeinclusao.com.br/secao/agenda/509/lancamento-oficial-do-portal-atitude-inclusao/ler.aspx

quarta-feira, 21 de março de 2012

VIII Encontro de Educadores – Educação e Diversidade.

Nos dias 04, 05 e 06 de junho,a UniAbeu campus de Nilópolis promoverá o VIII Encontro de Educadores - Educação e Diversidade. O evento envolve os cursos de História, Letras, Matemática e Pedagogia. Fique atento a próxima chamada. http://www.uniabeu.edu.br

terça-feira, 20 de março de 2012

Livros na Mesa -Evento cultural com entrada franca

A Estação das Letras convida para o tradicional evento cultural, troca de livros e encontros de leitura com autores. Dia 31 de março (sábado) às 14:30h – Troca de livros. De 15 às 16h30 – Encontro de leitura: Poesia Contemporânea com: Álvaro Miranda, Mercia Menezes e Vânia Azamor. Local: Rua Marquês de Abrantes, 177 - Lojas 107/108 - Flamengo - Rio de Janeiro. Tel: (21) 3237-3947

Participação na Caravana dos Povos

+ Detalhes do local https://docs.google.com/file/d/0Bz0yjXVLIH2dYl9HRGFmUE5SUmUteU1JUnk3TEdtZw/edit?pli=1#

segunda-feira, 19 de março de 2012

domingo, 18 de março de 2012

III SEIJA-RJ – III Seminário de Educação Inclusiva de Jacarepaguá

DIA 06 DE JUNHO DE 2012 (4ª FEIRA). Descrição: Este Seminário será realizado pelo Colégio Estadual Stella Matutina (CESM) , Núcleo de Apoio Pedagógico VI (NAPES/SEEDUC-RJ) e a Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC-RJ). Contato: Glauber Lemos - Comissão Organizadora III SEIJA-RJ. Telefone: (21) 2332-2626, 2332-2627. E-mail: seija_rj_cesm@yahoo.com.br***** Veja no facebook em http://www.facebook.com/pages/III-Semin%C3%A1rio-de-Educa%C3%A7%C3%A3o-Inclusiva-de-Jacarepagu%C3%A1/353761081320743?sk=info

sábado, 17 de março de 2012

sexta-feira, 16 de março de 2012

“Lançamento do Livro: “Um Sapinho Muito Curioso”.

Raquel Mara Lopes Correia. http://raquelcorreiaescritora.blogspot.com/

quarta-feira, 14 de março de 2012

terça-feira, 13 de março de 2012

segunda-feira, 12 de março de 2012

Lançamento 2012

Além de brincadeiras, cantigas de roda, confecção de brinquedos, danças e dramatizações, entre outras coisas, as crianças também gostam de realizar atividades escritas. Dessa forma, elas desenvolvem o interesse por escrita, desenho, pintura, colagem etc. As atividades aqui sugeridas são bastante simples e práticas. Podem ser realizadas em diversas localidades, sejam urbanas ou rurais, além de modificadas e/ou adaptadas à realidade de cada escola, lar ou comunidade. Tel: (21) 3208-6113. www.wakeditora.com.br